A FAPEU
NOTÍCIAS
Publicado em 18/01/2024 à 01:01:06
Por: Assessoria de Comunicação
Expedição marítima de pesquisadoras da UFSC busca desvendar o Oceano Atlântico Sul
Jornada fez parte do projeto de pesquisa científica AtlantECO, projeto mundial que, na na Universidade Federal de Santa Catarina, conta com apoio da Fapeu

A bordo do veleiro Pangeia, um grupo de pesquisadoras do departamento de Ecologia e Zoologia da Universidade Federal de Santa Catarina (ECZ/UFSC) navegou entre Recife (PE) e Ilhabela (SP), ao longo do mês de novembro passado, percorrendo 2,2 mil quilômetros. Durante a expedição, elas realizaram ações em portos – compartilhando conhecimento científico com estudantes, professores e a sociedade civil – e coletaram amostras da água, da vida marinha e de microplásticos na confluência do mar com os rios, como o São Francisco. O material recolhido será enviado para diversos especialistas do Brasil, cujas análises vão ajudar a compreender os ecossistemas atlânticos, trabalho fundamental em tempos de mudanças climáticas.

A expedição fez parte do projeto de pesquisa científica AtlantECO – Atlantic Ecosystems Assessment, Forecasting & Sustainability, financiado pelo Programa Horizon 2020 (H2020) da União Europeia. O projeto é desenvolvido em parceria com 36 instituições de 13 países da Europa, Brasil e África do Sul. No Brasil também estão envolvidas as universidades de São Paulo (USP), de São Carlos (UFSCar), da Bahia (UFBA) e de Rio Grande (Furg). Na UFSC, é coordenado pela professora Andrea Santarosa Freire.

O trabalho desenvolvido na UFSC conta com apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa e Extensão Universitária (Fapeu). “A atuação da Fapeu nos procedimentos administrativos é uma garantia de que os recursos financeiros serão utilizados dentro das legalidades contratuais, algo ainda mais complexo no nosso projeto por se tratar de um recurso da Comunidade Europeia. Os procedimentos administrativos variam de muito burocráticos a muito simples, mas garantem a transparência da utilização do recurso”, destacou a professora Andrea Freire, em entrevista para a edição 13 da Revista da Fapeu, publicada em 2022 (leia a reportagem na íntegra em aqui)

Essa foi a quarta expedição realizada pelo grupo da UFSC no âmbito do AtlantECO. Já estiveram em Belém (PA), Rio de Janeiro (RJ), Paranaguá (PR) e Itajaí (SC). De acordo com Andrea, o trabalho ao longo da costa brasileira tem dois objetivos principais: realizar os Port Calls, eventos de extensão acadêmica que ocorrem nos portos e que buscam promover a cultura oceânica e a conscientização ambiental; e coletar amostras de plâncton – a vida marinha microscópica que habita a água – e de microplásticos nas áreas em que os rios encontram o mar. Nesta última expedição, as coletas foram realizadas nos rios São Francisco, na divisa entre Sergipe e Alagoas, e Buranhém, em Porto Seguro (BA). Ao todo, estiveram envolvidas na expedição nove pesquisadoras, sendo estudantes de graduação, mestrado, doutorado e pós-doutorado – dos programas de Pós-graduação em Ecologia (POSECO/UFSC) Oceanografia (PPGOceano/UFSC). A viagem durou 43 dias, contando o tempo no Pangeia, guiado pelo capitão Roberto Bruno Fabiano, e no ônibus até o Nordeste do país.

Port Calls e comunicação científica

No dia 24 de outubro, após meses de planejamento, um ônibus da UFSC partiu de Florianópolis transportando 27 caixas e 33 volumes avulsos de equipamentos, e cinco pesquisadoras dos laboratórios de Crustáceos e Plâncton e de Oceanografia Química. O grupo foi liderado por Érica Caroline Becker, pesquisadora de pós-doutorado do POSECO. Chegaram em Recife após quatro dias de viagem, onde encontraram a professora Andrea, que havia ido de avião junto com Andréa Green Koettker, também estudante de pós-doutorado do POSECO. Na capital de Pernambuco, enquanto parte da equipe organizava o port call, a outra transformava o Pangeia, um veleiro de 44 pés – pouco mais de 13 metros de comprimento –, em uma embarcação de pesquisa.

O Porto de Recife se tornou um ponto de encontro para a comunidade acadêmica, escolas locais e sociedade civil. Em parceria com a Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE) e Universidade de Pernambuco (UPE), foram organizadas as exposições “Microbioma Marinho” e “Microplásticos” dentro do Navio Escola Ciências do Mar IV, gerido pela UFPE. “Foi um momento de muita troca entre nós, professores das universidades, professores da rede pública, estudantes da UFSC, alunos e visitantes locais. Fomos para lá para expor o trabalho que fazemos, mas também fomos abastecidos por eles”, refletiu Andrea. Pelo menos 250 estudantes passaram pelo evento em Recife.

Um dos grupos de estudantes era do agreste de Pernambuco – os custos da viagem foram bancados com recursos do projeto. “Nunca havíamos recebido estudantes do sertão nas nossas atividades. Foi uma experiência muito importante”, relata a Andréa Green Koettker. “Até porque, tem uma máxima que diz que o mar começa no sertão. Tudo que chega ao mar é por meio dos rios. Então a população do sertão também tem que estar atenta ao que fazem com os rios, se estão jogando lixo, se estão lançando agrotóxicos.”

O segundo Port Call foi realizado em Porto Seguro, na Bahia, entre os dias 19 e 21 de novembro, onde outras alunas da UFSC somaram-se ao grupo inicial. Em parceria com a Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB), foram feitas diversas exposições. Além dos alunos de graduação e pós-graduação da universidade, foram recebidas 12 escolas de ensino fundamental e médio, totalizando mais de 400 alunos.

Um dos destaques foi o cinema do plâncton, a vida marinha microscópica que habita o mar. Certa manhã, pesquisadores e estudantes coletaram uma amostra no rio Buranhém. O material, analisado no Microscópio Curiosity, que é menor que uma caixa de sapato, foi projetado em um telão. “As crianças puderam ver ao vivo aqueles bichos que têm menos de um milímetro de tamanho. Em uma das exibições, um animal carnívoro, que dizemos que é o “leão” do plâncton, estava comendo todos os bichos à sua volta. Elas ficaram fascinadas. É importante para que as crianças conheçam a vida invisível que habita o mar”, conta Andrea.

A pesquisa nos rios

Antes da parada em Porto Seguro, as pesquisadoras viajaram, no Pangeia, rumo à divisa entre Alagoas e Sergipe, onde o rio São Francisco deságua no mar. Entre os dias 4 e 8 de novembro, coletaram amostras no rio, na pluma – uma coluna de fluido que se move dentro de outro fluido – e na região costeira adjacente. O objetivo é analisar a conectividade entre o rio e o oceano, revelando as características únicas de cada ecossistema. Apesar de toda a tecnologia a bordo do veleiro, para entrar no Velho Chico foi preciso recorrer ao auxílio dos pescadores locais, que guiaram a entrada da embarcação de pesquisa. Os conhecimentos tradicionais e regionais são aliados essenciais nas pesquisas de campo.

Andrea já viajou por diversos rios e oceanos ao redor do mundo fazendo pesquisa – em uma delas, percorreu mais de 9 mil quilômetros no Pacífico. Mesmo assim, ficou impressionada com o Velho Chico e com seus paradoxos. “Tivemos que estudar muito sobre o rio São Francisco. Ao mesmo tempo que é um paraíso, tem diversos problemas socioambientais”, conta. Devido aos represamentos e à transposição, o São Francisco perdeu força ao longo dos anos, e o mar o invadiu. “O rio salinizou. Mudaram os peixes e a terra onde as pessoas plantavam às suas margens. Como consequência, comunidades inteiras foram removidas. Teve momentos em que sua cor era tão azul que parecia que estávamos no mar. Mas é água doce por cima e salgada por baixo”, explicou Andrea. A coleta, portanto, precisou ser feita em diversos pontos do rio para abranger toda sua complexidade. Em um dos dias de coleta de amostras, ficaram cerca de 13 horas seguidas trabalhando.

Em Porto Seguro, além do Port Call, elas fizeram pesquisas no rio Buranhém até o Recife de Fora, abarcando o ambiente estuarino e recifal. “Contando as duas pesquisas, empregamos 40 protocolos, resultando na coleta de aproximadamente 500 amostras. As amostras e dados coletados a bordo foram armazenados de forma estruturada para permitir processamento e integração de dados em terra”, relata Érica Caroline Becker, estudante de pós-doutorado do PPGEcologia, que atuou como chefe da pesquisa no Buranhém.

A pesquisa vai analisar qual a contribuição dos rios para os oceanos, seja positiva – como a biodiversidade –, seja negativa – como os microplásticos. “E essa análise será feita com as técnicas mais modernas que existem, que é a genômica e de imagens. Quando você identifica um bicho vivo é muito melhor do que analisá-lo morto, mantido em formol. Ele não perde suas estruturas, nem sua cor, por exemplo”, explicou Andrea. Além de serem analisadas na UFSC, que conta com um dos equipamentos mais modernos do país, as amostras vão ser distribuídas pelo Brasil, para que outros pesquisadores do AtlantECO também possam se beneficiar desse material.

Plastisfera

Os problemas causados pelos microplásticos presentes no mar, que são ingeridos pela vida marinha e podem causar inúmeros malefícios, têm ganhado destaque nos últimos anos. O AtlantECO, no entanto, também vai analisar outra questão: os microrganismos que estão associados ao microplástico. O problema é tão sério que ganhou um nome no meio acadêmico, ainda pouco conhecido fora dele: a plastisfera, um ecossistema ligado ao plástico.

“Qualquer coisa, por menor que seja – como um grão de areia, por exemplo –, tem um monte de bactérias, vírus e organismos minúsculos grudados nele. Isso é normal, fazem parte da praia, da água, da ‘sujeira’ presente no ambiente. Mas o plástico, por sua capacidade de migração rápida de um lugar a outro, acaba carregando um monte de coisas, uma série de organismos grudados que se tornam agentes estranhos no novo local. Esses microrganismos vão para lugares onde não deveriam estar. O microplástico transporta tudo, inclusive patógenos”, explica Andrea. Por meio da análise genômica, será possível verificar qual é o ecossistema grudado no plástico e discutir seus riscos para o meio ambiente e para os seres humanos.

A navegação de retorno teve início no dia 23 de novembro. Como uma caminhonete da UFSC retornou para Florianópolis com parte dos equipamentos, oito pesquisadoras puderam voltar a bordo do Pangeia. No percurso, treinaram navegação e fizeram outras atividades educativas, como conhecer o Parque Nacional Marinho dos Abrolhos (PARNA MAR Abrolhos). De Ilhabela, onde desembarcaram, voltaram de ônibus. E trouxeram na bagagem experiências e informações para ajudar a refletir sobre a sustentabilidade dos ecossistemas do Oceano Atlântico Sul.

Com informações de Daniela Caniçali/Jornalista da Agecom/UFSC

Fotos: Divulgação

Últimas Notícias
Veja mais notícias da categoria >>
Veja outras notícias >>

Endereço: Rua Delfino Conti, s/nº , Campus Universitário Reitor João David Ferreira Lima, Bairro Trindade
Florianópolis/SC - CEP 88040-370 - Tel: (48)3331-7400. contato@fapeu.org.br
Correspondências e encomendas, entregues pelos Correios, enviar para a Caixa Postal 5078 - CEP 88035-972.
CNPJ: 83.476.911/0001-17 - Inscrição Estadual: ISENTO - Inscrição Municipal: 61.274-0
Horário de Funcionamento: Segunda a Sexta-feira das 8h às 12h e das 13h às 17h
Copyright© FAPEU - Todos os Direitos Reservados

. .